Crescimento e Desenvolvimento do Recém-Nascido

crescimento-e-desenvolvimento-do-recem-nascido

Por crescimento da criança entende-se o aumento em dimensão (peso, estatura e diâmetros). Ao contrário, por desenvolvimento expressa-se a aparição de novas funções ou o aumento em complexidade das mesmas.

Influem tanto no crescimento como no desenvolvimento, a herança, raça, sexo, alimentação e clima, além de outros fatores, tais como o funcionamento de algumas glândulas como a tireoide, a hipófise, etc.

AUMENTO DE PESO

Como regra geral pode dizer-se que a criança aumenta 25 gramas por dia durante os primeiros três meses, 20 gramas diários durante o segundo trimestre, 15 gramas no terceiro trimestre e 10 gramas por dia no quarto trimestre.

Como outra regra geral fácil de lembrar, pode dizer-se que o peso que a criança tinha ao nascer, duplica aos cinco meses, triplica no fim de um ano e quadruplica aos dois anos. Assim, por exemplo, se a criança nasceu com 8 quilos de peso, ao cumprir 5 meses terá 6 quilos, com um ano, 9 quilos, e aos dois anos, 12 quilos.

 

AUMENTO DE ESTATURA.

Para medir a criança existem réguas especiais (pediômetros), mas em casa isto pode fazer-se colocando-a deitada de costas sobre uma superfície lisa e resistente e pondo os pés em ângulo reto e as pernas e joelhos estirados. Medir a distância que há entre a parte mais alta da cabeça e a planta dos pés, colocada como mencionamos anteriormente.

Na prática isto é facilitado se a parte mais alta e a mais baixa forem marcadas com um livro grosso ou uma caixa de madeira, medindo em seguida a distância entre ambos os objetos. Como dissemos anteriormente, a estatura da criança recém-nascida é de uns 49 centímetros nas do sexo feminino e de 50 centímetros nas do masculino.

Verificam-se diferenças muito menores no tamanho da criança do que em seu peso. Quando ao recém-nascido faltam mais de dois centímetros para ter a estatura que lhe corresponderia, deve suspeitar-se de que é prematuro, isto é, nascido antes de tempo.

Observa-se, também, que o crescimento em estatura é menos afetado que o peso, no caso de nutrição insuficiente ou de enfermidades do tubo digestivo. Pode dizer-se em geral que a estatura da criança serve mais que o peso para indicar a idade, pois o peso pode apresentar variações muito mais pronunciadas que a estatura.

Como média fácil de lembrar pode dizer-se que o lactente cresce uns 20 centímetros durante seu primeiro ano de vida. Destes 20 cm.

Dez correspondem ao primeiro trimestre e os outros dez aos nove meses restantes. Também pode afirmar-se que 13 cm correspondem ao primeiro semestre e os 7 restantes ao segundo. No segundo ano de vida, o lactente cresce 10 cm mais. Assim, pois, a criança mede 60 cm ao cumprir os três meses, 70 cm com um ano, e 80 cm com dois anos.

Falando da criança em geral, observou-se que apresenta épocas em que o aumento de estatura é maior, proporcionalmente, que o do peso. Isso se deve a que a criança pode aparentar magreza nos tempos de maior crescimento.

Denominaram-se “períodos de esticão” os em que a criança cresce mais em estatura do que em peso, e “períodos de engorda” os em que o peso e a estatura aumentam proporcionalmente. Observou-se, por exemplo, que durante o quinto, sexto e sétimo anos ocorre um “período de esticão,” que pode fazer parecer magra a criança.

Entre os doze e a puberdade, produz-se outro “período de esticão,” sendo mais precoce nas meninas do que nos rapazes. Períodos de engorda são os primeiros quatro anos de vida e do oitavo ao décimo ano.

DENTIÇÃO

A primeira dentição (dentes de leite), consta de 20 dentes. A ordem e o momento habitual de sua aparição é o seguinte: Dos quatro aos sete meses (habitualmente aos seis meses) aparecem os dois incisivos medianos inferiores. Entre os sete e os nove meses, aparecem os dois incisivos medianos superiores.

Entre os oito e os dez meses, os incisivos laterais superiores. Entre os doze e os quinze meses, os dois incisivos laterais inferiores e os quatro molares anteriores ou pré-molares. Entre os 18 e os 24 meses, os quatro caninos ou colmilhos.

Entre os 20 e os 30 meses, os 4 molares posteriores. Em geral aparecem os dentes de cima antes dos de baixo, salvo os incisivos medianos inferiores, que são os primeiros a aparecer.

Habitualmente, pois, a criança tem seis dentes ao cumprir um ano, doze ao cumprir ano e meio, 16 ao cumprir dois anos e os 20 dentes da primeira dentição ao cumprir dois e meio ano.

O atraso na erupção dos dentes pode dever-se simplesmente a uma característica familiar. Não obstante, há casos de atraso que podem dever-se a certas enfermidades (funcionamento insuficiente da glândula tireoide, raquitismo, etc.), pelo que é conveniente que a criança seja examinada pelo médico em casos de manifesta irregularidade.

Se bem que já não corresponda ao estudo do lactente, damos alguns dados quanto à aparição da segunda dentição. Esta consta de 32 peças.

Entre os 6 e 7 anos, saem os primeiros molares permanentes, que é muito importante conservar para o normal desenvolvimento do maxilar.

Dos 6 aos 8 anos aparecem os incisivos*, dos 10 aos 12 anos, os pré molares, dos 12 aos 13, os caninos ou colmilhos, dos 12 aos 14, os segundos molares e dos 16 aos 80, os terceiros molares ou dentes do siso.

O DESENVOLVIMENTO MENTAL E A FALA

Ao final do primeiro mês há crianças que reconhecem a mãe ou pessoa que deles cuida. Ao final do segundo mês o bebê já segue com a vista. Amiúde sorri antes do terceiro mês. Aos quatro meses prefere estar deitado de costas, podendo erguer a cabeça e os ombros e dar-se volta na cama.

Articula alguns sons, ri, se se lhe chama a atenção para algum objeto grande; e pega algum brinquedo que se pendura por cima dele. Põe-se em posição especial para que o levantem. Aos seis meses. Prefere estar sentado (embora amparado por travesseiros, pega objetos entre o polegar e os demais dedos, pronuncia algumas sílabas e imita sons.

Pode-se fazê-lo rir facilmente e reconhece as pessoas, mostrando às vezes temor aos desconhecidos. Observa e apanha os pequenos objetos que lhe estão ao alcance. Aos sete meses. Senta-se só. Aos oito meses. Olha em busca de objetos que lhe tenham caído da mão. Aos nove meses. Põe-se em pé. Aos dez meses.

Pode segurar um pedaço de pão com o índice e o polegar. Com um ano. Começa a caminhar. Diz “papai” e outras palavras semelhantes. Diz “adeus” ou acena com a mão. Compreende ordens simples. Sustém uma xícara ou copo para beber.

Ajuda quando o vestem. Pode usar colher. Faz ou diz coisas que sabe provocam riso. É freqüente observar que as meninas falam de 2 a 4 meses antes que os meninos. Ao contrário, nestes, amiúde é maior a habilidade manual.

Com ano e meio. Sobe e desce escadas. Faz como quem escreve. Sabe dizer 5 a 10 palavras, entre as quais “obrigado” ou outras que lhe tenham sido ensinadas. Usa colher bastante bem. Busca calçar sapatos. Domina o intestino. Aos dois anos a criança corre, pode dar pontapés numa bola, busca os brinquedos extraviados.

Sustém com a mão um copo ou uma xícara e dá volta às páginas de um livro. Fala 200 a 300 palavras que combina em frases curtas e cumpre ordens simples recebidas. Repete as palavras e imita ações simples. Aos três anos utiliza frases muito completas.

Às vezes fala só. Ao correr pode dar volta às esquinas facilmente. Transmite alguns recados simples. Pode mostrar numa figura objetos que conhece e chama-os pelo nome. Sabe como se chama. Pode repetir dois números. Aos quatro anos pode saltar em extensão.

Pergunta incansavelmente. Pode desenhar um homem. Repete três números. Sabe qual é a mais comprida de duas linhas que difiram entre si um centímetro. Conhece o seu sexo. Aos cinco anos pergunta unicamente o que deseja saber. Fala de maneira muito concisa. Pode manter-se equilibrado num só pé.

Canta bem, sabe lavar o rosto e fazer pequenos trabalhos. Sabe dar seu nome e endereço. Sabe vestir-se e despir-se. Aos sete anos conhece a hora, sabe distinguir a mão direita da esquerda. Descobre nas figuras se alguma parte foi omitida.

Todos estes dados são aproximados e não deve estranhar-se se a criança souber fazer alguma coisa com avanço ou atraso sobre o já mencionado, a menos que a diferença entre a idade da criança e sua idade mental seja muito acentuada.

Fonte:

1, 2

Imagem: mundoovo.com.br



doencas Revelado: Como Prevenir e Curar Doenças


Enquanto muitas pessoas se entopem de remédios, multivitamínicos e realizam dietas mirabolantes, existem certos alimentos que podem evitar doenças ou até mesmo ajudar na cura de muitas delas. Descubra o Real PODER na Natureza neste Vídeo Exclusivo - Clique Aqui


Publicidade:

Mais Assuntos