Mal formações do Aparelho Genital Feminino – Causas

malformacoes-do-aparelho-genital-feminino-causas

Alterações embrionárias de cunho patológico podem resultar em graves deformações do aparelho genital feminino.
No embrião, o aparelho genital encontra-se intimamente ligado ao urinário, num todo intrincado.

MALFORMAÇÕES DO APARELHO FEMININO

As gônadas (gone, semente), que futuramente se transformarão em ovários ou testículos, ainda são iguais, independentemente do sexo que a criança venha a ter, e ligam-se aos rins primitivos, dois conjuntos de minúsculos tubos.

Como ramos de um tronco maior, esses tubos desembocam nos dois canais de Wolff que se dirigem, lado a lado, para a parte inferior do corpo do embrião. O caminho percorrido pela dupla de canais é acompanhado por outros dois tubos, que se dispõem como o cálice de uma flor ao envolver a corola.

Esse cálice é formado pelos canais de Míiller, que abarcam o percurso dos canais de Wolff Esses dois conjuntos de canais têm importância fundamental, pois representam o esboço do futuro aparelho genital, tanto no homem como na mulher.

Para isso, em cada sexo, apenas um dos dois conjuntos de tubos vai se desenvolver e diferenciar-se. O canal de Muller vai dar origem às trompas, ao útero e à vagina: por isso só se desenvolve no sexo feminino. E. com seu desenvolvimento, os canais de Wolffatrofiam-se, pois não têm função na mulher.

Na formação de uma criança do sexo masculino vai acontecer o contrário, ou seja, os canais de Wolff vão desenvolver-se e os canais de Müller irão atrofiar-se. Mas a evolução desses canais, sozinha, ainda não dá ao embrião características sexuais externas aparentes.

Para isso, é necessária outra diferenciação: a de uma estrutura embrionária, a doaca. Como as aves, o embrião humano possui apenas uma saída para excrementos, que é a cloaca. Nela terminam tanto o intestino como a bexiga.

Durante a-vida pré-natal, essa estrutura passa por um processo de divisão e abre saídas independentes para o reto. para a uretra e, na mulher, para a vagina. Erros em qualquer momento desse longo processo podem determinar um defeito em componentes do aparelho.

ÚTERO

O útero e a vagina formam-se juntos, a partir da porção terminal do canal de Miiller. Por esse motivo, a maior parte das malformações que afetam o útero é acompanhada por alterações correspondentes da vagina. E, de acordo com o momento da formação em que interferem as causas nocivas, as malformações apresentam características típicas.

Quando a interferência se manifesta no primeiro mês de vida intra-uterina, pode ocasionar a falta de desenvolvimento de um dos canais de Müller.

Origina-se, dessa maneira, o chamado útero unicorne, fenômeno resultante da falta de desenvolvimento de um dos cornos uterinos (cornos uterinos são as regiões laterais do fundo do útero, onde se implantam as trompas).

Simultaneamente, a trompa e a vagina podem sofrer alterações, do lado do corno que não se desenvolveu completamente. Em fases mais precoces, as alterações serão mais acentuadas. A menina, ao nascer, terá apenas um útero rudimentar.

Por vezes, ele reduz-se a um pequeno nó entre o reto e a bexiga, sem colo nem vagina presentes. Ocorre, nesse caso, a atresia vaginal, ou seja, a ausência de vagina. Se o processo interromper-se enquanto se completa a fusão dos dois canais, em etapa posterior, podem-se manifestar várias modalidades de útero duplo.

No grau mais avançado, os dois canais de Müller permanecem totalmente separados. Como resultado, forma-se o útero didelfo, constituído por dois úteros e duas vaginas completamente independentes.

Outras modalidades são o útero bicorne, com um ou dois colos, e o útero septado. As malformações uterinas nem sempre impedem a evolução normal da gravidez e, em grau moderado, podem ser corrigidas por cirurgia.

malformacoes-do-aparelho-genital-feminino-complicaçoes

TROMPAS E OVÁRIOS

As (rompas também se formam a partir dos canais de Müller. Dessa maneira, a ausência das duas trompas, ou seu desenvolvimento rudimentar, em geral coincide com alterações na formação do útero.

No entanto, a ausência de apenas uma das (rompas é quase sempre baseada numa origem traumática, na vida pré-natal. Resulta da torção da extremidade livre de um dos canais de Müller e consequente degeneração, às vezes com desaparecimento total do esboço de trompa.

As alterações das trompas constituem causa importante de esterilidade. São evidenciadas pela radiografia contrastada dos órgãos genitais internos, a chamada histerossalpingografia. As malformações dos ovários podem ser completamente independentes de outras alterações do aparelho genital feminino, em virtude da origem embrionária diferente desses órgãos.

VULVA

A vulva – porção mais externa da vagina – origina-se da cloaca embrionária, que é invadida pela camada de tecidos mais externa do embrião (ectoderma). O hímen, pequena prega mucosa que veda a abertura da vagina, tem a mesma origem. Interferência no desenvolvimento dessas formações originam malformações dos órgãos genitais externos.

Eles perdem o aspecto característico e tornam-se muito semelhantes aos órgãos genitais masculinos. Alterações desse tipo podem suscitar dúvidas quanto ao verdadeiro sexo do recém-nascido.

Constituem os casos de pseudo-hermafroditismo, em que indivíduos do sexo feminino, com ovários, (rompas e útero, apresentam características externas do sexo oposto. Outras vezes apenas o hímen é afetado. Na grande maioria dos casos, o hímen apresenta-se naturalmente perfurado por um ou mais orifícios.

É comum a existência de uma perfuração central de diâmetro suficiente para permitir o exame ginecológico (toque vaginal) em virgens e mesmo o coito sem que ocorra seu rompimento (hímen complacente). O hímen imperfurado é malformação mais ou menos frequente, constituída por membrana totalmente impermeável.

Essa alteração só é percebida após a menarca (primeira menstruação), pelo fato de impossibilitar a eliminação do sangue menstrual. Com as menstruações seguintes ocorre um acúmulo gradual de sangue que distende amplamente a vagina (hematocolpo).

Se não houver correção, o sangue acumula-se posteriormente no útero, nas trompas e, inclusive, na cavidade peritoneal. A distensão dos órgãos genitais internos determina dores intensas. O diagnóstico é frito com facilidade e o tratamento consiste na abertura cirúrgica do hímen, para possibilitar o escoamento do sangue retido.

Fontes:

1, 2, 3

Imagens: valentinisocial.blogspot.com.br    kvinnorsratt.se



doencas Revelado: Como Prevenir e Curar Doenças


Enquanto muitas pessoas se entopem de remédios, multivitamínicos e realizam dietas mirabolantes, existem certos alimentos que podem evitar doenças ou até mesmo ajudar na cura de muitas delas. Descubra o Real PODER na Natureza neste Vídeo Exclusivo - Clique Aqui


Publicidade:

Mais Assuntos