Placas Motoras – Pra que Servem? Onde ficam, Dicas e Muito Mais!

placas-motoras-pra-que-servem-onde-ficam-dicas-e-muito-mais

As placas motoras são conexões entre as terminações nervosas e as fibras musculares, e transmitem impulsos a alta velocidade.

Neste artigo falaremos sobre Placas Motoras – Pra que Servem? Onde ficam, Dicas e Muito Mais!

Placas Motoras – Pra que Servem? Onde ficam, Dicas e Muito Mais!

PLACAS MOTORAS

A utilização de drogas que bloqueiam a contração de músculos esqueléticos – aqueles que podem ser controlados pela vontade – hoje não passa de mera rotina anestésica.

Nem sempre a anestesia chega a deixar relaxados todos os mús­culos. A rotina de que se servem atualmente as equipes operatórias somente se tornou realidade após a II Guerra Mundial – durante as guerras desenvolvem-se particularmente não só a tecnologia bé­lica, mas também diversos setores da medicina, em especial a me­dicina de urgência.

publicidade

A elaboração dos bloqueadores musculares só foi possível atra­vés de duas contribuições díspares: um veneno utilizado há sécu­los pelos índios sul-americanos e o desenvolvimento da moderna técnica farmacêutica.

A ação fulminante exercida pelo curare contido nas flechas dos nativos sempre espantou o explorador do Novo Mundo. O fundar dor da moderna fisiologia. Claude Bernard, foi o primeiro cientis­ta a demonstrar que o curare impede a resposta muscular diante de estímulos nervosos.

No entanto, o grande fisiologista iria mais longe: mostrou que a contração muscular ainda é possível, nessas condições, se o estimulo for aplicado diretamente ao músculo choque elétrico, por exemplo. Concluiu então que o veneno atuava somente na junção neuromuscular.

O curare, na verdade, provoca a morte de pássaros, mamíferos e até mesmo de seres humanos, em virtude da ação bloqueadora que exerce nas ligações entre os nervos motores – que comandam a contração muscular – e os músculos voluntários. O animal morre asfixiado pela imobilização dos músculos respiratórios.

Fibra nervosa é cada um dos longos prolongamentos das célu­las nervosas, enfeixados dentro dos nervos. São fibras desse tipo que conduzem impulsos motores e terminam ao redor de uma ou mais fibras musculares. A conexão entre uma terminação nervosa e uma fibra muscular é a placa motora.

Nessa estrutura microscó­pica o impulso se transmite da fibra nervosa à fibra muscular. A exemplo das sinapses nervosas – “relês” de conexão entre duas células nervosas -, as placas motoras encarregam-se de propagar o impulso nervoso que determina a contração da célula muscular, num processo químico de alta velocidade.

publicidade

Da mesma maneira que as sinapses, as placas motoras contêm numerosas estruturas que só foram descobertas com auxilio do mi­croscópio eletrônico.

A fibra nervosa motora, situada nas vizi­nhanças musculares, fica completamente descoberta, isto é, sem as bainhas de revestimento, e divide-se em ramificações terminais que estabelecem íntimo e extenso contato com uma zona especial da membrana da fibra muscular. É exatamente essa zona que rece­be a denominação de placa motora.

A QUÍMICA INTERVÊM

Ao atingir as terminações nervo­sas, o impulso determina a liberação de acetilcolina, substância química armazenada em vesículas ultramicroscópicas existentes na ponta da terminação nervosa. A acetilcolina encarrega-se de transmitir o impulso nervoso, agora sob forma química, à fibra muscular.

Para isso, após sua liberação das vesículas da extremi­dade nervosa, ela se difunde na placa motora. Liga-se quimicamen­te com receptores especiais, localizados na placa motora. Essa li­gação determina uma alteração elétrica local que desencadeará a

resposta. Quando uma quantidade suficiente de acetílcolina deter-Minou a alteração elétrica da placa motora necessária para provo­car uma modificação da fibra muscular, esta responde. Verifica-se a contração, sinal de que a alteração elétrica da placa motora foi da ordem de 120 milésimos de volt.

Quando as fibras musculares estão em repouso, diz-se que estão polarizadas: a membrana celu­lar que as envolve tem carga elétrica orientada em determinado sentido. Quando ocorre a alteração elétrica, fala-se em despolari­zação da fibra muscular.

publicidade

A acetilcolina, portanto, interfere no equi­líbrio elétrico da fibra muscular e atua como “despolarizante”. Por atuar como intermediário entre o impulso nervoso e a contra­ção muscular, a acetilcolina é denominada mediador químico na transmissão neuromuscular.

UMA SUBSTÂNCIA “EXPLOSIVA”

A chegada de um único impulso nervoso provoca a libertação maciça de quase 10 mi­lhões de moléculas de acetilcolina numa única terminação nervosa motora. Para difundir-se no diminuto intervalo, entre a terminação nervosa e a placa motora, a acetilcolina leva alguns décimos de se­gundo.

A ação dessa substância química liberada por um único impulso nervoso deve ser muito breve, para que a membrana da placa terminal possa ser rapidamente repolarizada e de novo tor­nar-se sensível a outro estímulo nervoso.

Somente desse modo po­de a contração muscular ser graduada delicadamente em resposta às diferentes frequências de estimulação.

Para remover a acetilcolina do local onde é liberada, o organis­mo vale-se de dois recursos: uma parte é espalhada, e o restante é destruído pela colinesterase, enzima “fabricada” exclusivamente para esse fim.

Os minúsculos ramos da fibra nervosa motora têm que excitar, sem falha nem demora, uma célula efetora, muito maior: a fibra muscular. As correntes de íons, que constituem o impulso nervoso, devem ser ampliadas consideravelmente.

A transmissão elétrica, apenas, não seria capaz disso, mas a “ajuda” da acetilcolina viabi­liza o processo. Portanto, aliado ao processo elétrico, ocorre tam­bém um processo químico, encarregado de “levar ordem” a todo o organismo.

Apesar de todos esses detalhes, um mistério ainda permanece: o mecanismo segundo o qual o impulso nervoso libera a acetilcolina nas terminações nervosas.

UM VENENO AUXILIAR

Sabe-se que a transmissão neuro­muscular pode ser bloqueada pela inibição da liberação de acetil­colina nas terminações nervosas. Ou então pode-se bloquear a ação da acetilcolina na placa motora. Placa motora em músculo de rã, fotografada com microscópio eletrônico.

No centro, é perfeitamente visível uma terminação nervosa, com vesiculas que contêm acetilcolina. Uma célula de Schwann reveste a fibra nervosa. Do lado oposto, nota-se a fenda sináptica, fissura que separa a fibra nervosa da muscular.

A toxina botulínica é um dos mais mortíferos venenos biológi­cos. Produzida por uma bactéria que se desenvolve especialmente em conservas deterioradas, combina-se irreversivelmente com as terminações nervosas motoras colinérgicas, interferindo na síntese ou na liberação da acetilcolina.

Os pacientes atacados pelo temível botulismo, se não forem socorridos a tempo, tornam-se impos­sibilitados de contrair os músculos esqueléticos. Sobrevém dessa maneira a morte.

A tubocurarina — derivado sintético do primitivo curare — é uma droga indispensável na pequena farmácia de anestesia existen­ te em toda sala cirúrgica.

Nem a droga sintética nem a natural im­pedem a liberação de acetilcolina: simplesmente competem com ela, combinando-se quimicamente com os receptores da placa mo­tora, impedindo, dessa maneira, que a química do organismo se efetue.

E claro que a ação da tubocurarina precisa ser controlada. Para isso há outra droga, a neostigmina, que exerce ação antagônica à da enzima colinesterase. Esse contraveneno estimula um acúmulo de acetilcolina suficiente para deslocar a tubocurarina dos receptores da placa motora. Restabelece-se, desse modo, a transmissão neuromuscular.

Neste artigo falamos sobre Placas Motoras – Pra que Servem? Onde ficam, Dicas e Muito Mais!

publicidade
Imagem- emagrecimentourgente.com