As Parodontopatias – O que são? Tratamentos, Sintomas e Dicas

as-parodontopatias-o-que-sao-tratamentos-sintomas-e-dicas

Confundidas muitas vezes com as gengivites, essas afecções geralmente resultam de algumas anormalidades na articulação dentária.

A pressão provocada pela justaposição dos dentes da arcada su­perior aos da inferior é transmitida às estruturas que sustentam o próprio dente. Essas estruturas (córtex dos alvéolos, periodonto, cimento e gengiva) recebem o nome de parodonto.

Se existir equilí­brio funcional dos dentes, a pressão é distribuída uniformemente pela superficie dentária. Dessa forma, o paradonto não se ressente do choque.

Uma “carga “mal distribuída, ao contrário, acarretan­do maior solicitação de certas regiões e menor de outras, pode ser causa de diferentes afecções nas estruturas de sustentação do den­te, originando as chamadas paro dontopatias.

Neste artigo falaremos sobre As Parodontopatias – O que são? Tratamentos, Sintomas e Dicas.

As Parodontopatias – O que são? Tratamentos, Sintomas e Dicas

FALTA OU EXCESSO DE CARGA

As parodontopatias odem ter diversas causas locais ou gerais. Entre os fatores locais consideram-se certos agentes irritantes como a sobrecarga ou oclu­são traumática, o tártaro, as irritações mecânicas, as inflamações.

A oclusão traumática ocorre devido à justaposição anormal da ar­cada inferior à superior, ficando os dentes constantemente subme­tidos a traumatismos capazes de lesar o parodonto. Entretanto, se a resistência dos tecidos parodontuis for suficiente para suportar o excesso de carga, a oclusão traumática não tem graves consequências.

Trata-se, no caso, de reações de compensação do tecido, sem que se manifeste o quadro da parodontose. Essas reações consis­tem sobretudo na formação de uma camada óssea ao nível do ápi­ce radicular, afim de compensar o desgaste anormal da superfície  dos dentes.

Além das parodontopatias de sobrecarga, existem as causadas pela falta de carga, isto é, quando não há contato entre os dentes opostos. Na ausência de elementos antagônicos, falta aos dentes a força de oclusão que compensa a força de impulso do osso alveolar para o exterior.

Em conseqüência, formam-se aposições ósseas ao nível do paro donto, ao mesmo tempo que diminui aparte radi­cular do dente inserida no alvéolo ósseo. Essas “adaptações” pro­vocam diminuição progressiva da estabilidade do dente, que, dessa forma, parece alongado em relação aos outros.

ANTIESTÉTICO E PREJUDICIAL

Ainda entre as cau­sas locais, destaca-se o tártaro, concreções de sais minerais que se depositam na face interna dos dentes. Sendo nocivo às gengivas, o tártaro pode provocar irritações que atingem todas as outras estru­turas de sustentação do dente.

Muitas doenças orgânicas ou funcionais constituem, em certos casos, fatores determinantes de parodontopatias. As mais comuns são as disfunções do aparelho gastrintestinal, distúrbios hepáticos, alterações da circulação, disfunções hormonais e doenças do sis­tema hematopoético.

Muito estudada tem sido a relação entre as parodontopal ias e as carências vitamínicas. -Verificou-se que sobretudo as avitaminoses A, B, C, D e E têm consequências no tecido parodontal, compro­metendo bastante sua resistência.

Também disfunções de glându­las endócrinas como a tireóide, as gônadas e o pâncreas são consi­deradas causas do aparecimento de afecções parodontais.

PONTOS FUNDAMENTAIS

O tratamento das paradon­topatias baseia-se em três fatores principais: suprimir os elementos incitativos locais ou gerais; procurar estabelecer condições que permitam mastigação normal, sem prejudicar o paradonto; e eli­minar danos causados pela doença, uma vez que representam ele­mentos agravantes da própria doença.

Outro ponto importante na terapia é a manutenção da higiene local pelo paciente. Consequentemente, dimi­nui a porção da raiz que penetra nos alvéolos, ou seja, os dentes vão “saindo” dos alvéolos.

Segue-se, portanto, a mobilidade do dente, que vai se agravando com a evolução da doença. Cria-se um círculo vicioso que só é interrompido pela imobilização dos dentes.

Esse sistema permite repartir o esforço e a pressão que ca­da dente, devido a sua mobilidade, não poderia suportar por si só, sem prejudicar o parodonto.

Em certos casos a parodontopatia é causada por uma oclusão que se verifica em indivíduos afetados por contração nervosa dos músculos mastigatórios (ranger os dentes, por exemplo), que man­têm sob pressão contínua o aparelho parodontal.

Aplica-se então um aparelho que, mantendo destacadas as superfícies de mastiga­ção, permite o repouso dos tecidos parodontais. O aparelho consti­tui, portanto, um sistema de oposição aos choques traumáticos da mastigação.

O preparo do dente deve obedecer a exigências espe­ciais, afim de dar a máxima estabilidade e a máxima resistência à prótese, bem como impedira possível ruptura.

A moderna técnica odontológica prevê a possibilidade de se construírem pontes aplicadas sobre moldes fixados em cada dente. Desse modo, se houver necessidade de consertos, ou em caso de acidente, épossível remover a prótese sem danificá-la.

Intervenções gradualmente mais complexas, de acordo com a gravidade da doença. De início procu­ra-se estimular a nutrição dos tecidos por meio de técnicas apro­priadas, como massagem e organoterapia, que devem ser acompanhadas pela retirada completa dos depósitos de tártaro.

Já nas fases mais avançadas extraem-se as granulações de tárta­ro e limpam-se as paredes ao longo do cimento gengival, que co­meça a se tornar visível pelo descolamento das gengivas.

Após es­ses tratamentos, recorre-se à cirurgia parodon tal representada pela gengivectomïa simples, gingivectomia profunda e intervenção ra­dicular no parodonto.

As intervenções podem ser feitas aos poucos, ou seja, um quarto ou meia arcada dentária por vez. De acordo com a operação, retira-se uma parte das gengivas cada vez maior até chegar, na interven­ção radicular, ao osso alveolar. Este será raspado e o cimento da raiz dentária será oportunamente recomposto.

O resultado das intervenções cirúrgicas tem se revelado inteiramente satisfatório, obtendo-se melhorias bastante significativas nas periodontopatias.

Neste artigo falaremos sobre As Parodontopatias – O que são? Tratamentos, Sintomas e Dicas.

Imagem- http://portosorriso.com.br/



doencas Revelado: Como Prevenir e Curar Doenças


Enquanto muitas pessoas se entopem de remédios, multivitamínicos e realizam dietas mirabolantes, existem certos alimentos que podem evitar doenças ou até mesmo ajudar na cura de muitas delas. Descubra o Real PODER na Natureza neste Vídeo Exclusivo - Clique Aqui


Publicidade:

Mais Assuntos