Dente de Leite – Cuidados, Nascimento e Prevenção de Cáries

Para aflorar, o dente-de-leite deve abrir caminho através da delicada mucosa da gengiva, que recobre os ossos maxilares no interior da boca. Esse leve traumatismo, que não encerra perigos, determina, porém, alguns distúrbios gerais, sobretudo quando o processo é prolongado.

O sinal que permite prever o iminente aparecimento dos dentes é a salivação abundante: a criança começa a babar profusamente, leva as mãos à boca e tende a apertar objetos consistentes entre as gengivas ou comprimi-Ias com a mão.

Sinais do nascimento dos dentes

Os sinais se acentuam no dia da erupção do dente e em geral se acompanham de distúrbios generalizados. A criança torna-se inquieta, dorme com dificuldade, rejeita alimento e chora com maior freqüência.

A temperatura pode elevar-se a um estado febril de 38 a 38,5 graus. Distúrbios intestinais também ocorrem, sem nenhuma relação aparente com infecções intestinais, que em geral provocam diarreia. As gengivas ficam avermelhadas e, no ponto em que o dente começa a despontar, aparece um pontinho branco, circundado por pequena inflamação.

Os médicos geralmente não recomendam qualquer providência terapêutica, pois todos os sinais desaparecem quando se completa o aparecimento do dente. Recomenda-se apenas que se dê um anel de borracha esterilizado ou uma crosta de pão, que a criança, instintivamente, morde para acelerar o processo.

Todavia, as manifestações da primeira dentição, em seu estágio inicial, devem ser observadas com certo cuidado porque, apesar de seu aspecto benigno, poderão mascarar distúrbios de caráter patológico. A mãe, no período de dentição, tende a atribuir ao processo todas as anormalidades de comportamento e de estado da criança. Com isso, incorre no risco de não reconhecer manifestações de outras moléstias. Isso constitui, portanto, uma razão adicional para que a criança receba assistência permanente de um pediatra, através de exames periódicos.

publicidade

dente-de-leite

Importância dos Dentes de Leite

Apesar de sua curta duração, os dentes dos primeiros anos de vida desempenham importantes funções e devem merecer cuidados médicos, a despeito de sua existência provisória.
Em primeiro lugar, os dentes-de-leite desempenham as mesmas funções importantes dos dentes permanentes de um adulto. Além disso, são os dentes-de-leite que proporcionam às arcadas dentárias a conformação quase definitiva, onde se apoiarão os dentes permanentes.

A disposição dos dentes definitivos, com todas as suas implicações estéticas, depende, portanto, de ser precedida de uma disposição igualmente harmônica dos dentes-de-leite.

A prevenção da cárie nas crianças é fundamental para impedir prejuízos à mastigação e, por extensão, às funções digestivas, tão importantes no período de crescimento. A cárie é um processo de destruição dos tecidos dentais, que não pode ser detido nem reparado espontaneamente.

Os ácidos que atacam e decompõem o esmalte dental resultam da fermentação de detritos alimentares, retidos nos interstícios dos dentes. A incidência da cárie em crianças é tão elevada quanto entre os adultos. Mas em crianças é mais fácil evitá-la.

publicidade

Os dentes-de-leite são separados entre si por interstícios mais largos, espaços reservados para os dentes definitivos —maiores e mais numerosos -, que nascerão posteriormente. Esses espaços são de limpeza mais fácil do que os que existem entre os dentes definitivos. Em seu primeiro estágio, a cárie é indolor, pois o processo se restringe ao esmalte, que não é sensível. Só é dolorosa quando a destruição alcança a dentina e a polpa.

publicidade

COMO PREVENIR A CÁRIE

providência mais eficiente e simples para prevenção da cárie é a cuidadosa limpeza dos dentes após as refeições. Só a escova pode remover os resíduos fermentáveis e impedir a formação de ácidos prejudiciais.

Na criança de 1 ano, porém, o uso precoce da escova poderia lesar a delicada mucosa da boca. Ainda assim, a mãe pode habituar a criança a bochechos com soluções que dissolvam em parte a gordura dos alimentos e reduzam a aderência dos detritos alimentares. Outra providência é a limpeza direta, com o emprego de um cotonete embebido em leve solução de bicarbonato de sódio.

A partir dos 3 anos, já se pode habituar a criança ao uso da escova, que deve ser fina e macia. A concessão de prêmios pela regularidade com que a criança obedece ao preceito constitui em geral um estimulo eficaz.

Outro recurso moderno é o da aplicação tópica (local) de flúor, tratamento indolor que qualquer dentista poderá executar. Soluções especiais de fluoretos, aplicadas pelo dentista à coroa dos dentes das crianças, aumentam grandemente a resistência do esmalte à ação dos ácidos da boca.

A visita ao dentista para aplicação do flúor, que pode ser realizada até mesmo aos 2 anos, oferece a vantagem adicional de familiarizar a criança com o ambiente de um consultório dentário.

publicidade

Visitas semestrais ao dentista, a partir dos 4 anos, não constituem excesso de zelo. A ocorrência de cárie a partir dessa idade é bastante comum. E o tratamento nos primeiros estágios é indolor, porque limitado à área de esmalte, onde uma leve aplicação de broca produz apenas pequena vibração. Essas providências envolvem vantagens educacionais, que se refletirão nos hábitos higiênicos da vida adulta, em que o medo ao dentista leva muita gente a negligenciar os cuidados com os dentes.

 

Leia também: Gengiva inchada, inflamada ou sangrando 


Leia Também: