Desidratação – Sintomas, Tipos e Tratamentos – O que fazer?

As crianças estão muito sujeitas às infecções microbianas e às parasitoses, que provocam sérias alterações do funcionamento normal do intestino. Através da diarreia e do vômito, que freqüentemente surgem como conseqüência dessas alterações, o organismo infantil acaba por eliminar grande quantidade de água e eletrólitos, ocorrendo a desidratação, geralmente no verão.

Tipos de Desidratação

No organismo da criança desidratada, os líquidos que formam o sangue e a linfa ou preenchem os espaços entre as células – e mesmo dentro das células -passam também por uma série de modificações que atingiriam inicialmente apenas o ambiente extracelular.

Quando se verifica a falta de água e a quantidade de eletrólitos não se altera, a desidratação é do tipo hipertônico, que atinge geralmente crianças com menos de dois anos. A deficiência de água provoca a concentração do líquido extracelular, o que dificulta a eliminação dos resíduos do metabolismo. Dessa forma, os rins não podem trabalhar com eficiência e o paciente urina muito pouco. O líquido expelido é mais denso que o normal.

Na desidratação hipotônica, somente os eletrólitos diminuem. Os rins logo procuram corrigir a desproporção entre a quantidade de água e eletrólitos, intensificando a expulsão de água. Como conseqüência, a urina, abundante, é diluída.

 

agua-para-Desidratacao

 

Ao mesmo tempo que os rins tratam de expulsá-la, a água – cujo excesso no sangue e no meio intersticial é apenas relativo à pobreza de eletrólitos – atravessa as membranas plasmáticas e invade as células, provocando o edema (inchaço) celular. Com a perda de água, o líquido extracelular volta a se concentrar, mas o volume de sangue se torna menor, fazendo cair a pressão e dificultando a circulação. A morte pode ser resultado de um colapso circulatório. As funções dos rins se alteram e cai o volume excretado de urina. A oxigenação dos tecidos torna-se deficiente, provocando lesões no sistema nervoso.

Nesse segundo tipo de desidratação – a hipotônica ocorre uma perda acentuada de potássio: além de ser eliminado pelos rins, ao mesmo tempo o elemento se espalha pelas células. Havendo uma diminuição de potássio, a pessoa passa a se movimentar com muita dificuldade, em virtude dafraqueza muscular que se acentua.

Há ainda um terceiro tipo de desidratação (isotônica), em que se registra uma perda proporcional de água e eletrólitos. Seu volume e o sanguíneo diminuem, ocasionando queda depressão. A urina se concentra e o volume expelido diminui. Às vezes, a sede intensa obriga a pessoa a tomar muita água, fato que pode vir a transformar esse tipo de desidratação em hipotônica.

Sintomas da Desidratação

O vômito e a diarreia provocam a perda acentuada do peso. A criança fica muito fraca e apresenta-se febril. Sente muita sede. A pele torna-se ressecada, perdendo a elasticidade normal.

As lesões do sistema nervoso, conseqüência da deficiente oxigenação dos tecidos, provocam alterações no comportamento infantil. A princípio, a criança se apresenta irritadiça e agitada. Depois vai ficando apática, prostrada, sente muito sono e entra em coma. A morte agora está muito próxima. Quando sobrevive, a criança manifesta várias deficiências neurológicas, somente superadas com auxilio de tratamento médico.

A lenta circulação do sangue, característica da desidratação, favorece o aparecimento de tromboses em várias regiões do corpo. A trombose na região intracraniana produz geralmente sinais neurológicos anormais.

Também pode ocorrer trombose da região renal. Quando apenas um rim é atingido, a criança se recupera com uma intervenção cirúrgica.Para evitar a desidratação, os pais não devem deixar de oferecer às crianças chá ou água várias vezes ao dia. Elas têm dificuldade de manter o equilíbrio interno dos líquidos.

Leia Também:

Olhos Vermelhos – Vermelhidão por irritação, sol ou água

Difteria -Sintomas, Diagnóstico – Causas e Tratamentos

Qual a função do Fígado? Fisiologia e Importância – Anatomia



doencas Revelado: Como Prevenir e Curar Doenças


Enquanto muitas pessoas se entopem de remédios, multivitamínicos e realizam dietas mirabolantes, existem certos alimentos que podem evitar doenças ou até mesmo ajudar na cura de muitas delas. Descubra o Real PODER na Natureza neste Vídeo Exclusivo - Clique Aqui


Publicidade:

Mais Assuntos