Tipos de Transplantes Dentários – Conheça Como Funciona

De todos os tipos de transplantes de tecidos e órgãos, o dos den­tes é sem dúvida o mais antigo. A história da cirurgia registra ca­sos de transplantes dentários praticados pelos antigos egípcios, etruscos, gregos e romanos.

 

Tipos de transplantes dentários

Existem diferentes tipos de interven­ções pelas quais são realizados os transplantes dentários. A finali­dade dos transplantes consiste na reposição de um dente num al­véolo (pequena cavidade do osso maxilar na qual se inserem os dentes)já existente ou constituído propositalmente.

O reimplante consiste na reposição de um dente em seu próprio alvéolo. O transplante, na reposição de um dente proveniente de outro lugar. O transplante, por sua vez, abrange: autotranspiante (quando o dente é do próprio paciente), homotransplante (se pro­vém de indivíduo da mesma espécie) e heterotranspiante (quando originário de indivíduo de espécie diferente – dente de macaco transplantado em homem, por exemplo).

Denomina-se reposição cirúrgica o transplante de dentes dispostos de maneira errada, ou de dentes que ficaram retidos no osso maxilar (tecnicamente de­nominados dentes inclusos).

transplantes-dentarios

 

Reimplante dentário

Quando um dente é extraído, interrompe-se a ligação vascular e nervosa que o liga ao organismo. Uma vez ti­rado, o dente já não recebe mais irrigação sanguínea e fica privado das ligações nervosas com o resto do organismo.

Quando o dente vai ser reimplantado, portanto, é preciso retirar-se completamente a polpa dentária na qual se encontra o nervo, além de se providenciar a obturação dos canais. Dessa maneira, reimplanta-se um elemento sem nervo, mas que pode novamente soldar-se em seu alvéolo – desde que a intervenção seja executa­da com escrupulosa assepsia.

publicidade

A condição fundamental para que se dê a ligação do dente com o alvéolo é a imobilização do elemento reimplantado. Deverá ser mantido nessa posição pelo menos durante quatro semanas, preso com fio de seda ou fio metálico, ou ainda por uma haste, metálica ou de resina acrílica.

Mudança de Posição do Dente

Os dentes molares, sobretudo os primeiros molares inferiores, são os mais atingidos pelas cáries. Se o processo já tiver causado a penetração profunda de agentes infecciosos, com o aparecimento de periodontüe crónica (inflama­ção do sistema de fibras que fixa o dente no alvéolo), será preciso extrair o dente.

Tratando-se de pacientes jovens, dos dezoito aos vinte anos, pode ser encontrado o germe do terceiro molar ou den­te do siso. Este ainda está com apenas um terço de sua raiz forma­da. Se não for feita uma prótese para substituir o elemento que fal­ta, quando o dente do siso irromper ocorrerá um deslocamento pa­ra afrente., o segundo molar vai sendo forçado a ocupar o espaço vazio do dente extraído.

publicidade

 

proteses-dentarias

Instala-se, dessa maneira, uma desarmonia na correspondência entre os dentes da arcada superior com os da inferior (tecnicamen­te denominada oclusão), que prejudica a mastigação. O mais aconselhável, em casos desse tipo, é extrair o germe do dente do siso que ainda não irrompeu e transplantá-lo no alvéolo do primeiro molar que foi extraído.

publicidade

Esse método não requer a extração da pol­pa e do nervo do dente a ser transplantado, pois suas raízes ainda não estão de todo formadas e seus ápices (pontas das raízes) en­contram-se abertos.

Se o transplante foi realizado de modo completamente asséptico (isento de germes patogênicos), a polpa dentária pode se transfor­mar num tecido duro que preenche a cavidade do dente anterior­mente ocupada pela polpa. Na prática, ocorre a remoção do nervo do dente transplantado, sem a presença de elementos infecciosos que podem causar periodontites ou outro tipo de afecção.

Dentadura Não-Postiça

Muitas pessoas vivem atormentadas pelo fato de terem dentes feios. As queixas mais co­muns referem-se aos dentes amarelados, partidos e, principalmen­te, mal alinhados. Até pouco tempo atrás os métodos de que dispu­nham para melhorar o aspecto estético de seus dentes eram mera­mente corretivos. As soluções existentes eram dentifrícios espe­ciais (no caso de dentes amarelos), restaurações, pivôs (dentes pos­tiços) para reparar e substituir dentes quebrados, e aparelhos ortodônticos para os dentes mal alinhados.

Atualmente existe uma solução para boa parte desses casos. É a reposição cirúrgica, que consiste no transplante de dentes inclusos (que tenham ficado retidos no osso maxilar) ou de dentes nascidos em má posição.

Quando um dente fica retido, sobretudo se se tratar de canino, é muito comum que não se dê a absorção da raiz do dente de leite correspondente. Observa-se, nesses pacientes, a presença de cani­nos de leite, além dos caninos permanentes inclusos no osso. O processo de reposição cirúrgica é o seguinte: extrai-se o dente in­cluso, remove-se a polpa e obtura-se o canal Em seguida, extrai-se o canino de leite e em seu lugar coloca-se o canino incluso retirado do osso.

Da mesma maneira, no caso de um dente irrompido em má po­sição ou sem alinhamento, pode-se, através da reposição cirúrgica, colocá-lo no lugar correto.

publicidade

Leia Também: