Traumas da Medula Espinhal – Como tratar, quais o Riscos e sintomas

traumas-da-medula-espinhal-como-tratar-quais-o-riscos-e-sintomas

Apesar de bem protegida, a medula espinhal sofre sérios traumatismos que podem ser corrigidos graças a intervenções cirúrgicas.

Muitas vezes, por analogia, costuma-se usar a expressão espi­nha dorsal para indicar o centro de apoio, o alicerce em que se fundamentam as mais variadas situações.

A coluna vertebral, além de sustentáculo do esqueleto, é muito importante pelo precioso conteúdo que encerra. Ao longo de quase toda a sua extensão – protegida pelas vértebras que a envolvem: formando verdadeiro estojo ósseo -, situa-se a medula espinhal, prolongamento do encéfalo.

Apesar de estar tão bem protegida, a medula espinhal às vezes sofre as consequências de traumatismos que podem atingir o que constitui seu envoltório.

publicidade

Os acidentes automobilísticos, projéteis de armas de fogo, obje­tos perfurantes e os próprios fragmentos ósseos destacados das vér­tebras fraturadas ou luxadas costumam causar lesões na medula.

Fatores mecânicos que não atuam diretamente sobre a coluna ver­tebral, mas a distância – explosões, descargas elétricas, descompressões bruscas —.podem ser também causa de traumas.

Neste artigo falaremos sobre Traumas da Medula Espinhal – Como tratar, quais o Riscos e sintomas.

publicidade

Traumas da Medula Espinhal – Como tratar, quais o Riscos e sintomas

GOLPES CERTEIROS

A regido torácica da medula é a mais atingida por acidentes: cerca de 50% dos casos. Seguem-se a lombar (25%), a cervical (20%) e a sacra (5%). Se as lesões inter­nas tiverem comunicação com o exterior, ocorre o chamado trau­matismo aberto.

Caso contrário, se não há solução de continuida­de da pele, a linguagem médica fala em traumatismo fechado. O grau máximo da lesão é quando a medula chega a ser seccio­nada parcial ou completamente, em decorrência por exemplo de penetração por corpos sólidos como projéteis balísticos ou armas brancas.

Em outros casos não há corte medular, mas uma violenta compressão por parte desses elementos. A terceira possibilidade é a contusão medular. Esta é acompa­nhada por alterações circulatórias que levam à destruição e necrose de zonas mais ou menos extensas da medula.

Em geral é esse mecanismo que se estabelece no caso de traumas que não provo­cam fratura nem luxação da coluna vertebral.

Conhecer essas informações é importante para Traumas da Medula Espinhal.

Comoção modular e Traumas da Medula Espinhal

A comoção medular é um tipo de lesão que surge após explo­sões ou acidentes com eletricidade (eletrocução). Não se manifes­tam alterações anatômicas evidentes. Os distúrbios neurológicos costumam ser graves, mas passageiros, pois em pouco tempo che­gam a regredir completamente.

Pela medula passam as fibras motoras provenientes do cérebro, que transmitem as “ordens” de movimento, e as fibras sensitivas que vão ao cérebro, conduzindo as sensações da periferia.

As lesões medulares interrompem a passagem de impulsos pelas fibras nervosas, podendo haver perda da mobilidade voluntária (paralisia) no caso de lesão das fibras motoras, ou da sensibilidade (anestesia), se as fibras afetadas forem, as sensitivas.

Quando ocorre fratura ou deslocamento ao nível da primeira e da segunda vértebras cervicais, o acidente costuma acarretar a morte.

Entre a quinta e a sétima vértebras cervicais, onde se si­tuam os centros motores dos membros superiores, a paralisia atin­ge os quatro membros (tetraplegia). Quando a medula é agredida na altura do segmento torácico, apenas os membros inferiores fi­cam paralisados (paraplegia), assim causando um Trauma da Medula Espinhal.

Quanto à perda da sensibilidade, a anestesia se dá na região do corpo que corresponde à lesão. As funções vesical e retal podem ser comprometidas.

Manifestam-se distúrbios na pele que chegam a provocar o aparecimento de úlceras (escaras de decúbito). Após cinco ou seis semanas, restabelecem-se alguns movimentos refle­xos devido à atividade “automática” da medula espinhal isolada dos centros nervosos superiores.

Em boa parte dos casos recorre-se à cirurgia, que permite elimi­nar total ou parcialmente os traumas modulares da coluna.

Neste artigo falamos sobre Traumas da Medula Espinhal – Como tratar, quais o Riscos e sintomas.

publicidade
Imagem- horadotreino.com.br