Infecção por Salmonella – Sintomas, Diagnósticos e Tratamento

Infecção por Salmonella

A Infecção por Salmonella é mais comum do que se imagina. Diferentes doenças resultantes da ingestão de alimentos ou de produtos químicos intoxicantes e tóxicos de origem animal ou vegetal são chamadas de intoxicação alimentar, e podem ser provocadas também por germes. Com exceção da Salmoneila typhi, bactéria causadora da febre tifoide, e da Salmonelia paratyphi, que provoca a febre paratifóide, praticamente todas as outras salmonelas são causadoras de infecções bacterianas, as salmoneloses.

A mais comum delas é a que provoca a gastrenterite aguda, que ocorre depois da ingestão de alimentos contaminados.

A infecção por salmonelas é mais freqüente na infância. Nessa fase, devido a certos estados físicos peculiares à idade, a doença pode alcançar graves proporções. Nota-se predominância de salmoneloses nas épocas mais quentes do ano.

Alimentos Contaminados e a Salmonella

Quase sempre, a infecção se dá através do consumo de alimentos contaminados, o que pôde ocorrer com a carne, o leite, vísceras de animais, ovos e outros. Pode haver contaminação também no preparo dos alimentos, quando são manipulados por pessoas portadoras de bactérias e que desconhecem ofato, dada a ausência de sintomas. Ratos, moscas e baratas também servem de veículo da contam inação.

Os insetos transportam os germes em suas patas e, quando pousam nos alimentos, contaminam a comida- Também são importantes transmissores das bactérias o cão e o gato. Nas crianças, principalmente durante o primeiro ano de vida, a infecção pode ocorrer tanto pela ingestão de alimentos contaminados, quanto pelo contato direto ou indireto com portadores de salmonelas. *Ao contrário do que se verifica com os adultos, nas crianças um pequeno número de bactérias é o suficiente para que se estabeleça uma infecção.

Sintomas

As salmonelas estabelecem-se de preferência no intestino delgado. A partir do aparelho digestivo, podem atingir a corrente sanguínea – caso em que determinarão uma infecção generalizada (septicemia) – ou localizar-se em outros órgãos, perturbando seu funcionamento. Os prognósticos dessas complicações estão relacionados diretamente com o tipo de virulência da salmonela, com o estado orgânico e com a idade do paciente e sua vitalidade.

Também de importância considerável é a existência, no organismo, de outros tipos de infecções, concomitantes à salmonelose. Depois de ingerir os alimentos contaminados, há um período de incubação que dura de 2 a 48 horas. A seguir surgem as primeiras manifestações gerais: mal-estar, náuseas e dores de cabeça, que aparecem imediatamente após vômitos, diarreias, dores abdominais e febre.

O paciente sente constante necessidade de evacuar e dores durante as evacuações. A intensidade dos sintomas é variável e depende parcialmente da quantidade de salmonelas ingeridas. É comum, em surtos de intoxicação que afetam muitos indivíduos de uma comunidade, haver grandes variações na manifestação da moléstia. Enquanto alguns pacientes adoecem gravemente, outros não apresentam sintomas ou as conseqüências da infecção não são muito pronunciadas.

Existem casos leves, quase imperceptíveis, cuja duração não vai além de um ou dois dias, com cura espontânea. E também existem os casos graves, que se estendem por cinco dias. Estes últimos são os que geralmente apresentam sérias conseqüências, acarretando prejuízos para o estado geral do paciente, podendo, em casos raros, sobrevir a morte.

Em crianças de pouca idade, em pessoas idosas ou debilitadas, devido a suas precárias condições orgânicas, os sintomas podem 2 ser mais intensos e severos. Além disso, a possibilidade de generalização da infecção, com o comprometimento de outros órgãos, como figado, glândulas supra-renais, rins etc., é bem maior.

Diagnóstico da Infecção por Salmonella

Facilmente o ataque das salmonelas adquire o caráter de epidemia. É de simples diagnóstico nos casos de pacientes adultos que, de 20 a 24 horas após a ingestão de determinados alimentos, começam a apresentar os sintomas típicos da infecção: febre, náuseas, vômitos, cefaleia e outros. E, quando o ataque assume o caráter de epidemia, o diagnóstico é ainda mais facilitado. Existem os casos em que os sintomas não são exclusivos dessa doença: aparecem somente febre ou náuseas, ou então apenas dores abdominais, por exemplo.

Nesses casos, o diagnóstico torna-se mais difícil ou até mesmo impossível. A maior dificuldade consiste na identificação do agente causador, quando isso é necessário. Não só diferentes germes como estafilococos, estreptococos, vírus e outros podem provocar sintomas semelhantes, mas também doenças não infecciosas, como envenenamento, podem simular o quadro.

Particularmente em crianças, o diagnóstico pode ser muito complexo, porque estas estão sujeitas a um grande número de afecções cujos sintomas são semelhantes aos da intoxicação alimentar. Se achar necessário, o médico poderá valer-se de alguns exames de laboratório, principalmente o de fezes, em meios apropriados, dos agentes patogênicos (coprocultura).

Com o exame, torna-se possível identificar os agentes, o que permite o diagnóstico da enfermidade e a correta prescrição do tratamento. Uma vez isolado o germe causador da doença, poderá ser feito um antibiograma, que é a verificação da suscetibilidade do germe a antibióticos ou a produtos quimioterápicos.

Tratamento

Nos casos de Infecção por Salmonella, o tratamento integra medidas de caráter geral e medidas específicas. Nas de caráter geral estão o repouso e a dieta, que é fundamental. Devem ser suspensos todos os alimentos que deixem resíduos. Conforme os resultados do tratamento, o paciente poderá ingerir alimentos mais sólidos. As medidas específicas consistem na administração de medicamentos antibacterianos.

Contudo, nem sempre são usados. Sua prescrição dependerá das observações do médico, que poderá usar antiespasmódicos, drogas antitérmicas ou antimicrobianas.

Os casos graves muitas vezes exigem terapêutica especial, com o uso de doses maciças de antibióticos e reposição de sais minerais e líquidos do organismo através da hidratação parenteral, da aplicação de soro e transfusão de sangue.

Cuidados para Evitar a Infecção

Os cuidados para evitar a Infecção por Salmonella consistem no cozimento completo dos produtos de origem animal e na refrigeração e proteção dos alimentos assim preparados. Acrescentem-se a essas providências a defesa contra roedores e insetos, o combate à infecção dos animais domésticos e a inspeção, por parte dos órgãos públicos, dos animais destinados ao consumo popular, dos açougues e das casas que vendem alimentos. As pessoas infectadas não devem manter contato com crianças, animais ou alimentos.

Os dejetos humanos devem ser convenientemente canalizados ou removidos adequadamente. Os alimentos suspeitos de contaminação devem ser destruídos. E o combate às moscas e outros insetos, realizado sem trégua.

Proteção dos alimentos, destruição do lixo ou sua manutenção em recipiente coberto são outras medidas aconselháveis para evitar a proliferação de insetos. Verifica-se, portanto, que a principal profilaxia no combate à Infecção por Salmonella é a adoção de rigorosas medidas de higiene.

Leia Também: