Tuberculose Pulmonar Crônica – Sintomas, Causas e Tratamentos

Tuberculose Pulmonar Crônica

Nesse artigo você saberá os sintomas, causas e tratamento da Tuberculose Pulmonar Crônica. Antes de mais nada, é interessante dizer que para o indivíduo normal, que nunca foi infectado pelo bacilo da tuberculose, essa bactéria é praticamente inócua. Uma segunda invasão de bacilos da tuberculose numa pessoa já afetada pode desencadear a propagação da doença por todo organismo.

Penetra no organismo e provoca apenas uma ligeira reação inflamatória, semelhante à determinada por partículas inertes. Em outras palavras, o organismo reage como se as bactérias fossem simples corpos estranhos. Já nos indivíduos previamente infectados, o bacilo age como um poderoso agressor.

A reação violenta ocorre nas pessoas em que se desenvolve uma sensibilidade especial, uma forma de alergia ao bacilo da tuberculose. De maneira geral, a primeira infecção confere ao organismo uma resistência maior. No entanto, a imunidade não é total e não existe, absolutamente, nenhuma imunidade permanente apesar de t’árias infecções prévias.

Causas

As principais causas da Tuberculose Pulmonar Crônica são o tabagismo e Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica.

Sintomas

Os principais sintomas da Tuberculose Pulmonar Crônica são: tosse contínua, inclusive com sangue no escarro, perda de peso, dor no peito ao tossir ou respirar

Tratamento para Tuberculose Pulmonar Crônica

Os desinfetantes comuns não conseguem matar os bacilos da tuberculose, que podem sobreviver em um ambiente sem luz por um período de três a quatro meses. Mas a bactéria é destruída pela luz e pelo calor: morre em menos de cinco minutos, quando submetida a calor úmido de 90°C.

Em 1944 foi descoberto o primeiro antibiótico capaz de impedir o crescimento e a multiplicação dos bacilos, a estreptomicina. Mais tarde foi descoberto o ácido paraminossalicílico. Mas somente em 1952 foi empregado um agente químico de eficácia definitiva contra o bacilo, a hidrazida do ácido isonicotínico, comumente denominado hidrazida.

O tratamento da Tuberculose Pulmonar Crônica é feito via remédios. O uso de antibióticos contra tuberculose deve acontecer por de seis a nove meses, dependendo do paciente.

TUBERCULOSE DE REINFECÇÃO

A tuberculose secundária de reinfecção ou crônica pode ser conseqüência de reativação da tuberculose primária, ou reinfecção de um indivíduo previamente afetado. Surgem alterações nos tecidos, que consistem classicamente na formação de tubérculos, aparecimento de células epitelioides e células gigantes de Langhans.

A tuberculose pulmonar de reinfecção é quase sempre localizada em um ou nos dois ápices dos pulmões. A evolução do processo infeccioso é bastante variável. Poderá ocorrer a calcificação e a cura espontânea da lesão tuberculosa, mas a infecção pode também disseminar-se para outras áreas do pulmão (tuberculose pulmonar progressiva), ou comprometer a pleura, originando a fibrose pleural: nesses casos, a entrada de bacilos na cavidade pleural pode formar o empiema tuberculoso (acúmulo depus na cavidade pleural provocado pelo bacilo).

Lesões pulmonares

Às vezes, as lesões pulmonares atingem apenas um brônquio, mas os bacilos poderão ser expelidos com a tosse e infectar outro brônquio, ou bronquíolos, traqueia e laringe. Se os bacilos forem engolidos com o catarro, poderão determinar a tuberculose intestinal.

Outra forma de lesão pode ocorrer quando os bacilos atingem os vasos linfáticos ou a corrente sanguínea: é a tuberculose miliar. O baço e o fígado são os órgãos mais comumente atingidos nessa forma disseminada da infecção.

Quando os bacilos atingem a artéria pulmonar (que leva o sangue do coração aos pulmões), podem ficar retidos nos capilares alveolares e a infecção, limitar-se aos pulmões. Mas, se houver um número muito grande de bacilos na artéria pulmonar, eles poderão atravessar os capilares dos alvéolos e espalhar-se.

A disseminação para todo o organismo também pode ocorrer quando um foco infeccioso abre-se para uma veia pulmonar.

Quando a tuberculose de reinfecção se propaga para outros órgãos, a destruição de tecidos e a reação inflamatória determinam várias alterações orgânicas. Os pacientes geralmente apresentam febre, suores noturnos, fraqueza, perda de apetite e de peso. Essas manifestações podem ser decorrentes de um estado toxêmico (presença de toxinas no sangue).

Gostou desse artigo sobre Tuberculose Pulmonar Crônica? Então compartilhe!

 

 

Leia Também: