Metabolismo do Açúcar no Organismo

Hoje em dia nos deparamos com uma sociedade que se importa com os cuidados com o corpo. Uma dieta balanceada com nutrientes, vitaminas e proteínas são essenciais. E os carboidratos, onde entra nessa história? Para saber mais do metabolismo do açúcar no organismo, leia o nosso post!

metabolismo-do-açucar-no-organismo

 

Como Funciona o Metabolismo do Açúcar no Organismo?

Consumidos sob as mais diversas formas, os hidratos de carbono fornecem a energia que permite a sobrevivência de todo ser humano. Todos os organismos vivos funcionam, em última análise, gra­ças à energia solar.

As plantas captam diretamente essa energia pelo mecanismo da fotossíntese. Por meio de uma reação química especial, fabricam a partir daí um importante açúcar, a glicose, que guarda uma reserva dessa energia captada do sol.

O combustí­vel está pronto para ser utilizado pelos organismos vivos que con­somem vegetais. Os carnívoros comem outros animais que são herbívoros e têm graças a isso um bom armazém de energia. Por­tanto o homem, ao comer carne ou vegetais, está de certa forma consumindo energia solar.

Amido

Na verdade, a maior proporção do metabolismo do açúcar no organismo é consumida na dieta apresenta-se sob a forma de amido. O amido é uma molécula gi­gante encontrada em todos os vegetais e formada por um conjunto de moléculas menores ligadas entre si. É especialmente abundante nos cereais, como o arroz, milho, trigo, e em seus derivados.

As fa­rinhas e as massas (feitas de farinha) são alimentos ricos em amido. Por isso, o açúcar comum, que representa apenas uma por­centagem mínima dos hidratos de carbono da alimentação, não é indispensável. Existem outras fontes para fornecer o elemento ne­cessário. O amido sozinho consegue dar ao organismo a maior pane do açúcar de que ele necessita.

Glicogênio

Também nos animais a glicose fica armazenada numa molécula gigante chamada glicogênio (o “amido animal”). O glicogênio fica guardado temporariamente no ligado, nos músculos e, em menor quantidade, em todas as células, até que o organismo exija sua mobilização. Nos intervalos entre refeições e durante p sono, ele é solicitado e então pode ser decomposto com facilidade.

Celulose

Um grão de feijão é formado em grande parte por açúcares, ou melhor, por uma substância complexa formada por milhares de mo­léculas de açúcares simples. Essa substância, denominada celu­lose, não tem valor nutritivo para o homem, pois nem mesmo todo o aparelho digestivo consegue desmontá-la.

Dextrose

Existe outro carboidrato complexo – a dextrose – que, ao contrário da celulose, é facilmente assimilável pelo organismo. Adota-se a dextrose na alimentação infantil para suprir necessida­des de açúcares. E há ainda outros açúcares, formados por peque­nas moléculas, que se dissolvem rapidamente na agua.

A sacarose, açúcar comum, é um deles; a lactose, açúcar do leite, é outro hi­drato de carbono simples.

Mucopolissacarídeos

Além do mais, inúmeros açúcares participam normalmente da composição do organismo vivo, fazendo parte de substancias mais complexas, os mucopolissacarídeos. E o caso da heparina, subs­tância que se encarrega de determinar a coagulação do sangue.

Os tecidos do corpo também são formados por um carboidrato, o ácido hialurônico. O “cimento” que une as células entre si.

Usina Hepática

No organismo humano existe uma usina especial, que desempenha papel central em todo o metabolismo dos açúcares. Trata-se do ligado, órgão que recebe e transforma os carboidratos ingeridos na dieta em glicose, combustível essencial para as células do corpo. Amido, glicogênio, maltose e sacarose consumidos na dieta são encaminhados diretamente para o intestino. Ai começa sua de­composição.

Intestino Delgado

Quase todos os açúcares simples são logo absorvidos pelo intestino delgado. Desses, a maior parte vai para a veia porta, o grande vaso sanguíneo que conduz as substâncias nutritivas para o ligado. Aí, os diferentes açúcares simples são transforma­dos em glicose.

Parte da glicose ali fabricada é lançada na circulação sanguínea para suprir todo o organismo. O restante rico de reserva no ligado, sob a forma de glicogênio. Mas não é só a partir dos carboidratos que o ligado fabrica glicose. Resíduos de proteínas, gorduras e ou­tras substâncias levadas ao fígado são utilizados para elaborar o glicogênio.

Exemplo máximo de aproveitamento é o do ácido lá-fico. Quando os músculos trabalham com pouco oxigênio, liberam ácido lático, resultante da queima (oxidação) da glicose. O ácido, por sua vez, vai servir de matéria-prima para o fígado reelaborar mais glicose.

Continuação do Processo

A desmontagem dos carboidratos da dieta, que começa na boca, continua no intestino e depois no ligado, não termina aí.

Ao chegar às células, a glicose enviada pelo ligado é decom­posta nas sucursais locais da grande usina, que são as chamadas mitocôndrias. O novo processo é denominado glicólise, ou seja, decomposição da glicose. As pequenas usinas celulares são estru­turas encarregadas da produção local de energia.

Decompondo a glicose, obtém energia química imediatamente utilizável, com li­bertação de gás carbônico e água como resíduos. Quando a célula precisa desse material, recolhe a glicose do líquido intersticial (parte líquida do sangue que fica entre as células dos tecidos) e su­pre suas exigências. Quando isso ocorre, o ligado libera glicose para o sangue, a fim de mantê-lo nutritivo.

Energia Produzida

As células guardam uma reserva em molé­culas especiais, os ATP (adenosinatrifosfato). São pequenas molé­culas ricas em energia, que descarregam o combustível sempre que é solicitado. A queima de moléculas de glicose as recarrega ininter­ruptamente, utilizando para isso o fosfato nelas contido.

Tal como o ligado, também as mitocôndrias aproveitam proteí­nas e gorduras para obter energia quando falta a glicose. Alguns tecidos de atividade intensa, como os do sistema nervoso central, exigem fornecimento sanguíneo constante e maciço de glicose.

A intensa participação da glicose na formação e no trabalho das células permite compreender como os açúcares fazem andar, falar, correr e mesmo pensar. Todos os carboidratos, consumidos sob as formas mais variadas, são essenciais para isso. Contudo a principal fonte de açúcares para o corpo não é o açúcar comum, mas o amido dos vegetais. Em geral, o metabolismo do açúcar no organismo, ocorre de várias maneiras

 



doencas Revelado: Como Prevenir e Curar Doenças


Enquanto muitas pessoas se entopem de remédios, multivitamínicos e realizam dietas mirabolantes, existem certos alimentos que podem evitar doenças ou até mesmo ajudar na cura de muitas delas. Descubra o Real PODER na Natureza neste Vídeo Exclusivo - Clique Aqui


Publicidade:

Mais Assuntos