Escitalopram – O que é, para que serve, contraindicações e efeitos colaterais

O Escitalopram pertence à classe dos antidepressivos. Foi desenvolvido pelos laboratórios Forest e Lundbeck entre os anos 1997 e 2001 e é comercializado em formato de comprimidos com 10 a 20mg.

Para que serve o Escitalopram?

escitalopram

A principal função desse medicamento consiste em corrigir a quantidade de neurotransmissores presentes no cérebro, sobretudo a serotonina, grande responsável pela sensação de bem-estar, inibindo os sintomas típicos da depressão.

Por esta razão, esse medicamento é indicado para o tratamento dos seguintes casos:

  • Transtorno obsessivo compulsivo (TOC);
  • Prevenção da recaída ou recorrência de quadros depressivos anteriores;
  • Transtorno de ansiedade social (fobias sociais);
  • Síndrome do pânico;
  • Transtorno de ansiedade generalizada (TAG).

Quais são as contraindicações do Escitalopram?

Ainda que a eficácia desse medicamento seja comprovada nos casos acima, ele não é indicado para as seguintes situações:

  • Crianças;
  • Pacientes que apresentam ou já apresentaram episódios de arritmia cardíaca;
  • Pacientes que fazem uso de medicamento que atuam como inibidores monoaminoxidase: Moclobemida (atua no tratamento da depressão), selegilina (atua no tratamento do Mal de Parkinson) e linezolina (atua no tratamento de infecções);
  • Pessoas que apresentam reações alérgicas a esse medicamento ou a qualquer um dos componentes da fórmula.

Obs.: Gestantes, mulheres que estão amamentando, pessoas que sofrem algum tipo de doença e que estão ingerindo algum tipo de medicamento deverão informar ao médico tais condições.

Quais os componentes da fórmula desse medicamento?

  • Oxalato de escitalopram;
  • Macrogol;
  • Celulose microcristalina;
  • Dióxido de titânio;
  • Dióxido de silício;
  • Álcool polivinílico;
  • Croscarmelose sódica;
  • Talco;
  • Estearato de magnésio.

Quais são os possíveis efeitos colaterais do Escitalopram?

Dependendo da reação de cada organismo a esse medicamento, ele poderá provocar os seguintes efeitos colaterais:

  • Náuseas e/ou vômitos;
  • Boca seca;
  • Prisão de ventre;
  • Aumento ou diminuição do apetite;
  • Diarreia;
  • Ocorrência de coriza ou obstrução nasal;
  • Insônia;
  • Tontura;
  • Sonolência durante o dia;
  • Ansiedade;
  • Tremores;
  • Sonhos anormais;
  • Sensação de agulhadas na pele;
  • Aumento da transpiração;
  • Dores nos músculos e nas articulações;
  • Problemas ejaculatórios;
  • Dificuldades de ereção;
  • Diminuição do desejo sexual (em homens e mulheres);
  • Aumento de peso;
  • Cansaço excessivo;

Esse remédio exige recomendação médica?

Sim. Esse medicamento poderá ser consumido somente quando prescrito por um clínico geral, neurologista ou psiquiatra.

publicidade

O profissional determinará a dosagem ideal de acordo com o quadro de cada paciente, assim como o tempo necessário do tratamento.

Caso ocorram efeitos colaterais, o paciente deverá informar o médico imediatamente para readequação da dosagem ou mudanças no tratamento.

Em hipótese alguma o uso desse medicamento deverá ser interrompido sem orientação médica.

Cuidados especiais ao ingerir Escitalopram

Pessoas que fazem uso desse medicamento não podem ingerir bebidas alcoólicas;

publicidade

Pacientes em tratamento com esse medicamento devem se abster de dirigir ou operar máquinas.

A importância da psicoterapia

Além de fazer uso desse ou de outros medicamentos antidepressivos, é essencial contar com o apoio de um psicólogo para tratamento da depressão e demais problemas ligados às emoções.

Durante as sessões de terapia, o paciente conseguirá identificar as causas do problema, trabalhando nelas pouco a pouco.

Isso é fundamental para ajudar o remédio a surtir o efeito desejado e não gerar dependência do medicamento.

cartelas

Outras estratégias para combater a depressão

Ter uma atividade física

Além de prevenir e combater uma série de doenças físicas, tais como hipertensão, diabetes, colesterol etc., os exercícios físicos favorecem a liberação de endorfina e serotonina, dois neurotransmissores cruciais para combater os sintomas típicos da ansiedade, depressão, estresse etc.

Portanto, desde uma simples caminhada até a prática de um esporte (desde que autorizado pelo médico), oferece excelentes efeitos para o tratamento da depressão.

publicidade

Cuidar da alimentação

O consumo de certos alimentos e plantas medicinais favorece a produção de hormônios que combatem os sintomas depressivos. Por isso, é fundamental adotar ou aumentar o consumo deles no dia a dia. Esses alimentos são:

  • Melancia;
  • Castanha-do-pará, amêndoas e nozes;
  • Leite desnatado;
  • Iogurte natural;
  • Queijos magros;
  • Manteiga;
  • Abacate;
  • Mel;
  • Geleia real;
  • Maçã;
  • Gelatina;
  • Pimentão (amarelo, vermelho e verde);
  • Pimentas de sabor suave;
  • Laranja;
  • Açafrão-da-terra (cúrcuma) em pó;
  • Ovos (de codorna e da galinha);
  • Peixes (sardinha, salmão, arenque e atum);
  • Tapioca;
  • Pão integral;
  • Arroz integral;
  • Macarrão integral;
  • Aveia;
  • Centeio;
  • Alface;
  • Agrião;
  • Rúcula;
  • Soja;
  • Manjericão;
  • Azeite de oliva extravirgem;
  • Banana;
  • Gérmen de trigo;
  • Amora;
  • Limão;
  • Framboesa;
  • Tangerina;
  • Goiaba;
  • Abacaxi;
  • Acerola;
  • Frango;
  • Fígado de boi;
  • Sementes de abóbora;
  • Chocolate (em pequenas quantidades e com pouco açúcar);
  • Frutos do mar;
  • Carnes vermelhas magras;
  • Couve-flor;
  • Grão de bico;

Quais alimentos são prejudiciais para quem sofre de depressão:

  • Lanches ao estilo fast food;
  • Refrigerantes;
  • Sucos de caixinha;
  • Frituras em geral;
  • Biscoitos recheados;
  • Pipoca de micro-ondas;
  • Macarrão instantâneo;
  • Salgadinhos;
  • Comida congelada (hambúrguer, lasanha, escondidinho etc.);
  • Sobremesas prontas;
  • Margarina;
  • Queijos gordos.

Além de ingerir itens saudáveis no cardápio, é fundamental priorizar o consumo de vegetais e ovos na versão orgânica, já que eles não contêm agrotóxicos e demais elementos químicos altamente prejudiciais para a saúde.

Cuidar do sono

A qualidade do sono é um dos fatores fundamentais para todas as pessoas, principalmente no caso de quem sofre de depressão.

Durante as horas de descanso, o corpo produz uma série de hormônios que favorecem o funcionamento do organismo como um todo, proporcionando a disposição necessária para o dia seguinte.

Para ajudar a ter uma noite revigorante, recomenda-se:

Ingerir chás relaxantes

Beber uma xícara de chá com plantas que possuem propriedades relaxantes é um hábito excelente para favorecer o sono.

publicidade

Esses chás são: jasmim, camomila, capim-cidreira, erva-doce, valeriana etc. Eles também são excelentes para combater o estresse e a ansiedade.

Outra dica é buscar aromatizar o quarto com aromas que favoreçam o relaxamento físico e mental, tais como: lavanda, sândalo, flor de laranjeira, capim-cidreira etc.

Sessões de aromaterapia

E por falar em aromas, um dos tratamentos complementares recomendados no caso de quem sofre de depressão consiste na aromaterapia.

Por meio do uso de óleos essenciais é possível aliviar os sintomas da depressão, ansiedade, síndrome do pânico, estresse etc.; proporcionando maior qualidade de vida às pessoas.

Para tratar a depressão, o ideal é recorrer a todas as alternativas possíveis, desde o uso de medicamentos como o Escitalopram como ter acompanhamento psicológico, cuidar da alimentação e usufruir dos benefícios das terapias complementares.

Bula do Escitalopram

Para fazer download da bula  clique aqui.

Preço Médio – Valor

O preço médio do Escitalopram 10 mg com 30 Comprimidos ultrafarma varia entre 17 à 73 reais.

Imagens- farmavital.com.br                 folhadecondeuba.com.br

Leia Também: